Telefone (61) 3585 1051 - Estado Distrito Federal - Brasília e Região

(61) 3585 1051 ele liga a procura de , depois diz que a sua voz é linda e desliga, volta a ligar dias depois novamente com a mesma história

Telefone está localizado na região de:

Como fazer ligações para o DDD 61 usando as Operadoras.

Vivo: 015 + 61 + telefone

Claro: 021 + 61 + telefone

GVT: 025 + 61 + telefone

Oi Telemar: 031 + 61 + telefone

(61) 3585 1051 esse numero fica ligando , pergunta pelo fulano e depois e fala que a voz é linda, depois desliga, e volta a ligar alguns dias depois
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen e
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 aconteceu o mesmo aqui
(61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distópica, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distópica, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 assessoria de comunicação
(61) 3585 1051 assessoria de comunicação
(61) 3585 1051 assessoria de comunicação
(61) 3585 1051 assessoria de comunicação
(61) 3585 1051 assessoria de comunicação
(61) 3585 1051 assessoria de comunicação
(61) 3585 1051 assessoria de comunicação
(61) 3585 1051 assessoria de comunicação
(61) 3585 1051 assessoria de comunicação
(61) 3585 1051 assessoria de comunicação
(61) 3585 1051 assessoria de comunicação
(61) 3585 1051 assessoria de comunicação
(61) 3585 1051 assessoria de comunicação
(61) 3585 1051 assessoria de comunicação
(61) 3585 1051 assessoria de comunicação
(61) 3585 1051 assessoria de comunicação
(61) 3585 1051 assessoria de comunicação
(61) 3585 1051 assessoria de comunicação
(61) 3585 1051 assessoria de comunicação de
(61) 3585 1051 assessoria de comunicação de
(61) 3585 1051 assessoria de comunicação de
(61) 3585 1051 esse número ligou no meu trabalho, disse que tinha sido engano e ai ele disse que eu tinha uma voz muito bonita e se podia conversar comigo em outro telefone, disse que não e desliguei. achei muito estranho e ele ainda fazia uma voz sensual.
(61) 3585 1051 segundo o google, esse telefone pertence a wesley de souza cardoso, que também usa o nome wesley krestel. tem uma empresa registrada como 2pack informatica. também trabalha como assessor de imprensa na confederação brasileira de ciclismo (cbc). possui perfil no twitter e facebook.
(61) 3585 1051 ligou a primeira vez de manhã cedo, meu marido atendeu e então desligou. ligou em seguida novamente perguntando se era da casa da carla. a tarde ligou novamente perguntando se era da casa da carla. disse que não. que ele estava ligando errado. ele perguntou meu nome e perguntou se poderia fazer um elogio. desliguei na cara. mas pelo que li nos outros comentários, é a mesma pessoa. um cara que tentavfaxer voz de sensual.
(61) 3585 1051 recebi uma ligação desse número às 00:50h. na primeira vez ninguém falou nada, em seguida, ligaram novamente e era um homem com uma voz de malandro, tentando falar de maneira "suave" e me perguntaram se era da casa do , disse que não é logo cortei e a pessoa ficou insistindo, tentando me enr na ligação. fui grossa e cortei logo, mas achei muito estranho e bastante assustador.
(61) 3585 1051 recebi uma ligação as 6h da manha perguntando se eu conhecia um , eu disse que não e ele falou que minha voz era linda e perguntou se podia ligar de novo. eu disse não e ele retornou a ligação outras 4x até que meu namorado atendeu e ele desligou
(61) 3585 1051 recebi uma ligacao deste numero as 2 da manha, o homem sabia o meu nome e era bem mais novo do que eu (tenho mais de 60) e ele tentava me levar na conversa... (ele falou que tinha 33 anos) eu falei para ele desligar e nao me incomodar mais. isto aconteceu nesta madrugada.
Informações de outros Telefones
(85) 4858 0139 (11) 4858-0139 ligou várias vezes, e quando atendo desligam. não consegui descobrir de onde é.
(11) 98068 4226 ei
(11) 94180 3404 empresa fantasma
(11) 3522 8170 golpe do título protestato, jamais depositem valores, é tudo uma grande farsa!!!!!!!!!!!!!
(34) 3301 8980 eu tb recebi, mas ninguem fala nada
(49) 5621 4030 uooo
(14) 3201 0555 a mesma reclamação de todos: atendo e fica mudo ou cai a ligação...
(21) 3267 0830 uma voz masculina atende e pede para falar mais alto
(19) 4042 5259 gem em vendas; não se identicam. não atenda......
(34) 3131 7000 faz uma semana que este telefone me liga e ainda não como descobriram meu celular.
(88) 4090 1696 liga direto, liga eu atendo e desliga
(31) 4062 5742 atendo e em fração de segundos, desligam. recebi 7 ligações desde a manhã até a noite....
(11) 2573 8515 liga e não fala nada...
(45) 9115 3767 tentativa de golpe, cuidado
(11) 6435 7911 esse numero fica manda do torpedos a cobrar. não aceitei nenhum, porém ja recebi varios, inclusive...
(64) 9626 4239 recebi uma sequência de ligações dizendo que é da central relacionamento do bradesco números 31 40421010, 64 96264239, 11 9685044130, 11 996121692. o papo é sempre o mesmo e robótico. "senhor fulano para sua segurança, esta ligação está está sendo gravada, precisamos confirmar alguns dados" tropa de vão pró ter com a desgraça!
(54) 3342 5025 a ...
(21) 99192 3514 liga, marca atendimento e não aparece
(11) 4333 0187 recebo várias chamadas desse número,mas quando atendo ninguem fala nada e encerra a ligação....
(84) 8768 0038 papo nem atender e nem perder tempo com essa mala
(11) 3240 7750 só bloquear.
(19) 3235 5422 é golpe o número não pertence a porto seguro. são ários, não passe informações ou...
(65) 9228 8983 ???????????????????????
(31) 97300 1065 esse numero me liga umas 10 vezes por dia , eu não atendo desligo direto e eles ficam insistindo .
(85) 3260 6500 esses numero com codigo 85 3260 me ligam mais de 15 vezs ao dia, sem exagero, faz mais de 45 dias q isso acontece, algumas vzs atendi, mas nao falam nada, existe algo posso fazer para parar com isso?
(11) 2395 7700 existe a possibilidade de bloquear a chamada deste telefone? ´ alguém pode informar a proveniência desse número, pois já estamos esgotados de receber a ligação - atender - e do outro lado - desligam.
(41) 3207 9291 ligam me perturbando, não tem dia nem hora....
(11) 4096 5502 é golpe !! se passando pela net. ligam no celular, tem um site igual ao da net e oferecem pacotes....
(11) 2167 7000 bloqueim! chamada de máquina indica que eles acham que o tempo delea é mais valioso que o nosso.