Telefone (61) 3585 1051 - Estado Distrito Federal - Brasília e Região

(61) 3585 1051 ele liga a procura de , depois diz que a sua voz é linda e desliga, volta a ligar dias depois novamente com a mesma história

Telefone está localizado na região de:

Como fazer ligações para o DDD 61 usando as Operadoras.

Vivo: 015 + 61 + telefone

Claro: 021 + 61 + telefone

GVT: 025 + 61 + telefone

Oi Telemar: 031 + 61 + telefone

(61) 3585 1051 esse numero fica ligando , pergunta pelo fulano e depois e fala que a voz é linda, depois desliga, e volta a ligar alguns dias depois
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen e
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 (61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 aconteceu o mesmo aqui
(61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distó, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distópica, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 nada do que é social e humano é mais real que as utopias. na sua vertente eutó, as utopias constituíram sempre o fundamento simbólico e mítico sem o qual nenhuma forma de organização social se sustenta, justifica ou sobrevive. e criam, tanto na vertente eutó como na distópica, o vocabulário da revolução e da mudança: sem os amanhãs que cantam (ou choram) teríamos, em vez de história, um presente intemporal e eterno - como o dos faraós ou o de francis fukuyama. aldous huxley publicou o seu brave new world em 1932. george orwell, que não tinha em grande conta este livro ou o seu autor, publicou 17 anos depois a sua própria distopia, nineteen eighty-four.
(61) 3585 1051 assessoria de comunicação
(61) 3585 1051 assessoria de comunicação
(61) 3585 1051 assessoria de comunicação
(61) 3585 1051 assessoria de comunicação
(61) 3585 1051 assessoria de comunicação
(61) 3585 1051 assessoria de comunicação
(61) 3585 1051 assessoria de comunicação
(61) 3585 1051 assessoria de comunicação
(61) 3585 1051 assessoria de comunicação
(61) 3585 1051 assessoria de comunicação
(61) 3585 1051 assessoria de comunicação
(61) 3585 1051 assessoria de comunicação
(61) 3585 1051 assessoria de comunicação
(61) 3585 1051 assessoria de comunicação
(61) 3585 1051 assessoria de comunicação
(61) 3585 1051 assessoria de comunicação
(61) 3585 1051 assessoria de comunicação
(61) 3585 1051 assessoria de comunicação
(61) 3585 1051 assessoria de comunicação de
(61) 3585 1051 assessoria de comunicação de
(61) 3585 1051 assessoria de comunicação de
(61) 3585 1051 esse número ligou no meu trabalho, disse que tinha sido engano e ai ele disse que eu tinha uma voz muito bonita e se podia conversar comigo em outro telefone, disse que não e desliguei. achei muito estranho e ele ainda fazia uma voz sensual.
(61) 3585 1051 segundo o google, esse telefone pertence a wesley de souza cardoso, que também usa o nome wesley krestel. tem uma empresa registrada como 2pack informatica. também trabalha como assessor de imprensa na confederação brasileira de ciclismo (cbc). possui perfil no twitter e facebook.
(61) 3585 1051 ligou a primeira vez de manhã cedo, meu marido atendeu e então desligou. ligou em seguida novamente perguntando se era da casa da carla. a tarde ligou novamente perguntando se era da casa da carla. disse que não. que ele estava ligando errado. ele perguntou meu nome e perguntou se poderia fazer um elogio. desliguei na cara. mas pelo que li nos outros comentários, é a mesma pessoa. um cara que tentavfaxer voz de sensual.
(61) 3585 1051 recebi uma ligação desse número às 00:50h. na primeira vez ninguém falou nada, em seguida, ligaram novamente e era um homem com uma voz de malandro, tentando falar de maneira "suave" e me perguntaram se era da casa do , disse que não é logo cortei e a pessoa ficou insistindo, tentando me enr na ligação. fui grossa e cortei logo, mas achei muito estranho e bastante assustador.
(61) 3585 1051 recebi uma ligação as 6h da manha perguntando se eu conhecia um , eu disse que não e ele falou que minha voz era linda e perguntou se podia ligar de novo. eu disse não e ele retornou a ligação outras 4x até que meu namorado atendeu e ele desligou
(61) 3585 1051 recebi uma ligacao deste numero as 2 da manha, o homem sabia o meu nome e era bem mais novo do que eu (tenho mais de 60) e ele tentava me levar na conversa... (ele falou que tinha 33 anos) eu falei para ele desligar e nao me incomodar mais. isto aconteceu nesta madrugada.
Informações de outros Telefones
(21) 4040 4091 que perturbação liga 100x por dia e a ligação cai.
(34) 3301 8970 telefone de sistema -- tivit -- para "spans".. eles ligam e tem regras, quando não falam nada e cai a ligação é porque a central efetuou mais discagens do que atendentes disponíveis, e ao atender, cai a ligação... observação recebida dentro da tivit: se você atender e falar alguma coisa, como "alô", o sistema reconhecerá que esse é um número válido e inserirá seu número para receber várias e várias ligações dos clientes deles, como gráficas, bancos, cartões de crédito, empréstimos, telefonias claro vivo tim oi, etc....
(21) 3616 3390 é da claro net minha fatura esta atrasada uns 15 dias, ñ param de ligar mandam msg ligam no fixo, um desespero para receber uma mereca
(11) 3003 4828 banco mediocre,não troca os caixas eletronicos.tem saldo na conta pra saque e as maquinas dao saldo insuficiente? insuficiente é a competencia de banqueiros ladrões,pois são competentes pra roubar, mas fazer o certo não são
(19) 3626 5571 é cilada. recebi tbm um e-mail dessa mercenária.
(31) 99102 0002 me pertuba muito.
(12) 7412 8812 gostaria de saber se quem é esse número ...
(11) 3538 5868 alguém manda um e-mail se identificando como "pedro paulo cordeiro", usa um endereço de e-mail com nome de mulher: "[ protected]", diz ter uma intimação a fazer e ser do "departamento da policia federal".
(11) 3594 2400 me ligam todos os dias, atendo e ninguem fala nada e nem se identifica. quem falta de respeito. ...
(34) 3300 8771 assessoria do banco itáu
(83) 9395 3415 este numero me liga diversas vezes no dia, ao atender fica mudo e desliga....
(62) 9223 9634 golpe. ligam pedindo dinheiro, se passando por parente em alguma situação.
(45) 3252 8594 de quem é?
(11) 3240 9100 ligou 13:00. vejo o número no bina e não atendo (11). é da ação contact center telemarketing li...
(11) 3738 1599 golpe serasa - peguntam informações de uma empresa para atualizar consulta no serasa. falam mal o português sem profissionalismo algum, fácil de perceber que é algum tipo de golpe.
(17) 3242 4722 liga de novo e me da seu endereço que vou te buscar ...
(11) 3090 1500 brasil telecon porem não sei o que queriam pois quando atendi desligaram e retornei e a mensagem diz ser da brasil telecon .
(85) 8190 3555 aviao do faustao
(21) 3460 3220 silencio eterno na ligação
(11) 94244 6406 enviou sms com propaganda do site .mastercartao. provavelmente fraude.
(19) 2104 6800 ㉠da claro ou net
(61) 3181 0181 golpe ! recebi uma ligação informando que meu iria ser negativado, quando informei que possuo um aplicativo do proprio spc que me informa qualquer tentativa de me negativar eles desligaram o telefone na minha cara.
(75) 2759 4480 site .graduacaoexpressoead.blogspot faz vitimas na internet...."eu tinha que mostrar um diploma para o meu pai", conta ludmila (nome fictício), que há quatro anos saiu de uma cidade de cerca de 25 mil habitantes para cursar pedagogia em são paulo. a jovem, no entanto, quer ser atriz. fez matrícula no curso de pedagogia "em uma faculdade qualquer", mas nunca frequentou as aulas. a pressão do pai, que tem um escola e queria que a filha tocasse o negócio da família, aumentou ultimamente. ludmila, incentivada pelo namorado, tomou uma medida desesperada: entrou no site diplomad. com. br, que promete diplomas de ensino fundamental, médio e superior em até 15 dias. ela ligou para um dos telefones que lá estão e conversou com um homem que se identifica como luis. envolvida pelo discurso de credibilidade do golpista, enviou seus documentos por e-mail para a suposta emissão do diploma (rg, , histórico escolar e título de eleitor) e depositou r$ 3. 600, equivalentes à primeira parcela. mas ludmila não recebeu nem diploma nem seu dinheiro de volta. após o depósito, o ário parou de atender a suas ligações. "eu achei que seria só uma mentirinha boba, porque eu não ia usar o diploma, só mostrar. nunca imaginei que eu ia me envolver com uma pessoa perigosa. agora eu tô morrendo de medo do meu pai. morrendo de medo do que esse cara possa fazer com meus documentos. ". como não pode fazer denúncia à polícia, já que ao tentar comprar o diploma também cometeu um crime, a aspirante a atriz contratou um perito para sofrer o mesmo golpe e rastrear o máximo de informações possíveis sobre o site. o perito, que também não quer se identificar, diz ter localizado o endereço físico do suposto proprietário do domínio unicentrodigital.com fica em uma pensão no bairro dos campos elíseos, onde a reportagem não encontrou nenhum dos envolvidos. o golpe a pergunta que se faz nesses casos é: como uma pessoa supostamente esclarecida cai nessa roubada? para entender o mecanismo, a reportagem da folha resolveu "cair no golpe" também --sem depositar o dinheiro. dessa vez, o pedido era de um diploma de administração de empresas. segundo luis, o documento taria r$ 6. 000. metade seria depositada em uma conta poupança que, segundo ele, pertence a uma funcionária da uninove. a outra metade seria paga em dinheiro a um motoboy que levaria o diploma a um endereço indicado pelo "cliente". a negociação, no entanto, não foi imeadiata. durou quase duas semanas. além de enr, o golpista usa a tática do vendedor de liquidação, que diz que tal peça é a última do estoque. ele também não deixa que se escolha a instituição que emitirá o diploma. pressionado a passar o número da conta, luis pedia calma. "não é assim! tem que ver se tem vaga em alguma das turmas que se formaram neste ano. tem que passar por um funil. ". que funil? ele não explica. só diz que o esquema funciona da seguinte maneira: a tal funcionária da uninove encaixa o nome do comprador em uma turma em que haja vagas de alunos que não se formaram. por exemplo, se a turma de administração tinha 40 alunos, e apenas 38 formandos, o falso formando seria encaixado em uma dessas duas vagas remanescentes. no dia seguinte, como num passe de mágica, a vaga aparecia. procurada pela reportagem, a uninove diz que nunca teve nenhuma funcionária ou aluna em seu quadro com o nome fornecido pelo golpista (o nome não é revelado, pois a mulher pode ser outra vítima cujos documentos estão sendo usados pelo golpista).
(61) 9116 1635 sou da do abr brasília muito bom o melhor jornal de meio dia
(61) 3442 6787 possível parente
(11) 3139 1807 todo dia recebo ligaçao desse numero
(21) 6814 2791 estou recebendo ligações desse número e mensagens ameaçadoras... preciso saber de quem é esse número - (21) 6814-2791
(51) 3123 3110 ligam todo dia, quando atendo a ligação cai. absurdo . falta de respeito e falta do que ter o que fazer. o que ganham com isso ? alguem me explica ??
(19) 3119 1700 não atendam ou leiam mensagens, pois estão clonando suas linhas. mesmo quando não falam nada, já estão clonando. a minha linha ficou clonadíssima. coloquem um identificador de chamadas e só atendam de números conhecidos.